Buscar

Goles em volta....

Sentas a tua existência à mesa comunitária. Ou talvez ao conservador e mais social

balcão. Pelas pontas dos dedos percorres o menu, mesmo que a mente percorra vasta e

vagamente a vida toda. Estás mesmo a precisar de uma cerveja. Solitária. Com o propósito numa pausa e a intenção em tal copo permites o tempo deslizar liquidamente num sossegado bar. Um sítio onde a rua e tudo o que nela orbita não entre porta adentro. Um sítio diferente. Isolado. De todos e de ti mesmo. Por vezes os dias são longos, aborrecidos. Talvez, o teu dia tenha sido assim.

Entras a convite de um copo até ficares preso no preto das letras e o branco das páginas de um jornal qualquer. E os goles em volta. Também há os goles em volta. A cerveja tem esse poder subtil de refrescar o espírito enquanto o tempo fala num ritmo mais lento. Da mesma forma que andar à porrada faz naturalmente mal aos dentes, ser responsável, organizado e competente, aleija a nossa individualidade. Muitas vezes as repetidas responsabilidades profissionais e pessoais causam fadiga à criatividade e adormecem o fulgor. Por vezes, só um fresco elixir a pode brevemente recuperar. Mais do que uma bebida, a cerveja pode ser o tão desejado purgante anti ressacas sociais.

Poucas são as sensações tão despretensiosamente satisfatórias quanto o quebradiço primeiro gole numa cerveja graciosamente tirada.


De repente, há um sorriso interior e a vida arredonda as suas arestas. Subestimar tais momentos como esse que provavelmente já viveste é negligenciar importantes partes da nossa história e cultura. O repouso pode ser mais do que um estado físico. Pode ser uma quebra figurativa, positiva.

Pode ser uma cerveja.

Tenho para mim que na vida é muito mais divertido ser pirata do que ser marinheiro.

Também acho que após uma, ou três cervejas, até um oficial da marinha se sente meio

pirata. Essa é a magia da cerveja, leva-nos a dar passos na direcção de nós mesmos. Ela é a bebida de eleição de muita gente, e para a ‘Vilhoa’ também é o ansiolítico predilecto.

Há momentos em que apetece beber uma pesadíssima cerveja envelhecida em

barris de carvalho de uma qualquer região de nome quase impronunciável. E há momentos para beber uma cerveja de fácil interpretação. Seja lá qual for o teu momento, valorizamos a existência dessa escolha. Queremos mais sítios onde há uma cerveja para ti, para o teu momento. Deixa que essa cerveja, que é só tua, te ajude na descomplicação do dia.


Quando bebida em moderação ela consegue reduzir o desconforto metafísico de existir.

Aprecia-a. Seja ela qual for. Desde IPA’s a Sour’s, todas existem por alguma razão.

Estas linhas não pretendem clarificar nada, não tencionam assumir conclusões ou

posições. Este texto pretende apenas existir. Persuadir o tempo a falar noutro ritmo.


Acreditamos que a felicidade corriqueira é a mais autêntica forma de felicidade. Por isso, e sem razões para brindes, um brinde!

Diogo Jesus Abreu

18 visualizações

info@vilhoa.com  |  +351 917 056 901

R. Carlos Azevedo de Menezes nº40, 9060-050 Funchal, Portugal

©2020 by Vilhoa

Desenvolvimento: mdxmedia.com